DE OLHO NA POLÍTICA - Presidente internado

19/07/21 - 14:38

João Henrique Faria é jornalista e consultor político eleitoral e governamental, proprietário da Fator Consultoria.
João Henrique Faria é jornalista e consultor político eleitoral e governamental, proprietário da Fator Consultoria.

João Henrique Faria
WhatsAPP: (32) 98887-4933


PRESIDENTE INTERNADO

Do positivo...
Todos terão alguns dias de paz, sem Jair Bolsonaro xingar jornalistas, em especial mulheres, fazer “motociatas” eleitoreiras ou propor algo inusitado.

Ao negativo...
O Brasil sem presidente. Jair internado. Mourão, em viagem oficial a Angola. Lyra, impossibilitado de assumir por questões jurídicas. Resta assumir o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco. Será? Enquanto isso, governa Carlos Bolsonaro, pelo tuitter...

KASSAB ANTECIPADO
Quem está costurando uma terceira via à Presidência da República, à lá político mineiro, é Gilberto Kassab, presidente nacional do PSD. Já conseguiu algumas proezas. Filiou Anastasia e Paes, e já tinha Kalil. Agora busca o senador por Minas Rodrigo Pacheco, hoje no DEM, partido que, por influência de ACM Neto, aproximou-se muito de Bolsonaro.
Antecipando o desejo de Kassab de vê-lo candidato a presidente, Pacheco pode assumir a Presidência da República temporariamente, com a internação do presidente. Enquanto isso, seguiremos à deriva.

CPI DA COVID
Para alguns, mera implicância dos membros da CPI, em especial seu presidente Omar Aziz. Para outros, fato concreto. A cada novo depoimento surge um coronel com o nome envolvido nas tentativas de falcatruas na compra de vacinas pelo Ministério da Saúde.
Daqui a pouco não restarão mais palavras para os líderes das Forças Armadas defenderem a corporação. É muita gente envolvida.

Na ativa
E são mais de 6 mil oficiais da ativa das Forças Armadas ocupando cargos civis no governo do presidente Jair Bolsonaro. Projeto de lei em tramitação no Congresso Nacional quer proibir, em definitivo, tal aberração. Lugar de militar é nos quarteis.

DISTRITÃO
E o tal do “Distritão” entrou no texto da relatora da Comissão Especial da Reforma Política. Para alguns, deveria ser chamado de “distração”, ou seja, um modo de chamar a atenção para uma proposta, quando na verdade quer passar outros itens, como, por exemplo, o retorno do financiamento empresarial de campanha, ou mesmo a volta das coligações para cargos proporcionais.

Especialistas apontam que nada disso passa. Vamos aguardar. Qualquer alteração para o pleito de 2022 tem que ser aprovada até a primeira semana de outubro, um ano antes das eleições.

CADÊ A TERCEIRA VIA?
Enquanto partidos buscam saída para acabar com o Fla-Flu - que um dia já foi PT X PSDB e que hoje é Lula X Bolsonaro -, os possíveis pré-candidatos do centro ou da direita não conseguem ter um desempenho eleitoral satisfatório, pelo menos é o que mostram os institutos de pesquisa – e são muitos.

Tirar do páreo
Pelo visto, a estratégia dos partidos “nem-nem”, nem Lula nem Bolsonaro, é fazer o presidente derreter ao ponto de não ser viável sua chegada ao segundo turno. Assim, em uma disputa direta com Lula, acreditam que conseguiriam retomar o “fora PT” e saírem vitoriosos. 
Mas tem que lembrar algo importante: Lula, pelas pesquisas de hoje, poderia vencer já no primeiro turno. Claro que ainda há muita água para passar por baixo da ponte.

* João Henrique Faria é jornalista e consultor político eleitoral e governamental, proprietário da Fator Consultoria.