O vizinho 

25/10/21 - 10:43

Élida Gontijo

Adoro crianças, amo a pureza, transparência, esperteza e afetividade. Esta semana vesti meu traje de Professora Maluquinha e visitei algumas escolas contando histórias. Foi uma experiência muito rica, falar de leitura, o mundo mágico da literatura. Senti que cumpri bem minha missão de despertar o gosto pela leitura . 

Foi um projeto desenvolvido pelo Colégio Franciscano Regina Pacis , uma das escolas que trabalho. O mesmo recebeu o nome de Mala Viajante. Cedo fui para o colégio  levando todo figurino, arrumei na sala dos professores e partimos, eu e minha fiel escudeira , a coordenadora Soraya , apoiadora de todas as minhas ideias  mirabolantes. Foi incrível ver realidades diferentes, sonhos em comum, levar nossos pequenos amarem a leitura. Senti em casa em cada uma das escolas, fomos bem recebidas por cada equipe pedagógica, professores e pelos alunos do quinto ano. Ruim foi contar histórias de máscara, não é a mesma coisa que dar aula, a expressão facial conta muito, mas tudo bem.  Aprendi muito com cada um deles, tive indicações de livros, graças a Deus eles estão lendo. Por mim ficaria a manhã inteira, mas não podia atrapalhar a rotina de cada instituição e meus alunos do sexto ano me esperavam para os últimos horários.

Chegando de volta ao colégio, encontrei uma mãe com duas crianças, dois meninos, conhecendo a escola, fato muito comum nessa época do ano. Os pais querem conhecer onde os filhos vão estudar,  a segunda casa. Mas fiquei encantada com  dois meninos, um ficou assustado comigo vestida de professor Maluquinha, o outro não , sentiu que poderia entrar na minha fantasia. Ajoelhei no chão para ficarmos próximos, perguntei os nomes, mas infelizmente não entendi, estavam de máscara. Ali nasceu uma amizade, meu novo amiguinho me perguntou onde eu morava, respondi que dentro de um livro. Os olhos dele brilharam como os raios do sol, perguntou o porquê de morar nesse lugar diferente, expliquei que lá tem fantasias, bichinhos, fadas, duendes, logo pediu a mãe se podia ser meu vizinho. Adorei a ideia de tê-lo como vizinho. Fiquei imaginando nós dois morando nesse mundo fantástico, tomando um cafezinho com a vó da Chapeuzinho Vermelho, fugindo da bruxa que envenenou Branca de Neve, pedindo a Fada Madrinha que nos levasse ao país das maravilhas para encontrar a Alice. Quanto sonho passou em minha cabeça de Professora Maluquinha , mas infelizmente o sinal tocou , tive de correr e virar a professora Élida, ir pra sala. Despedi rapidamente do meu futuro vizinho sem pegar seu contato, sei que a mãe é advogada, se alguém souber mais informações me avise precisamos combinar nossa futura moradia.

Sonhar é sair do lugar levando apenas uma mala e uma cabeça de Professora Maluquinha.

Dedico esta crônica ao menininho que me inspirou e ao  escritor Ziraldo que completa hoje   89 anos.

Outubro de 2021.