A chave mestra

18/06/22 - 09:00

“Treina minha mente a se adaptar a qualquer circunstância” [...] Dessa maneira, se as circunstâncias te desviam do roteiro [...] não ficarás desesperado por uma nova instrução” Epiteto, Discursos, 2.220 B-I; 24B-25.

As coisas sempre vão bem enquanto acontecem como o esperado. Porém, a situação muda quando algo sai diferente do planejado.
Pior fica se não há planos alternativos, e se existem, o plano B, C ou D são insuficientes para contornar o obstáculo.

Como prever as possibilidades de problemas, independentemente da situação? Onde encontrar todas as respostas necessárias para nossos questionamentos? 

Não, não é possível prever nem todas as situações e menos ainda os problemas que elas possam vir a acarretar. Apenas para parte deles, mas nem sempre teremos soluções precisas e exatas.

Queremos sempre a resposta para aquilo que nos surpreende. Contudo, talvez a solução não esteja nas respostas e sim em uma única pergunta: Há algo a ser feito diante as imprevisibilidades, seja em qual circunstancia for?
Sim! Se adaptar a elas!

O êxito permanente está não no que você causa aos problemas e sim no que os problemas causam em você.
O mudo não gira conforme a nossa vontade. Contudo, essa reciproca não é verdadeira. Nós podemos e devemos adequar as nossas vontades e ações conforme o girar do mundo.
Quem se pauta apenas por um roteiro pré-estabelecido, conta somente com uma única possibilidade de alcançar o que pretende, além de ficar à mercê de inúmeros fatores externos que extrapolam o controle e a própria vontade.

Entretanto, os que, além do planejado, tem a consciência de que nada é certo, detém uma gama infinita de possibilidades. 
Isso quer dizer que consegue maior êxito quem prepara a sua mente para aceitar e compreender mesmo o que não é agradável. Isso é possível quando, além do planejamento estratégico, se busca pelo desenvolvimento de habilidades como paciência, flexibilidade, criatividade, confiança, resiliência, coragem, independência, e acima de tudo, não se abate em hipótese alguma.

A chave mestra está na musculatura da mente. Ela permite decifrar os códigos de todas as “portas”, e definir aquelas que podem ser abertas, quebras, contornadas ou que são intransponíveis. Evita esforço desnecessário, excesso de força e faz saber quando continuar ou parar.

Não importa o quanto o plano é bom ou o poderio do arsenal “bélico”. Se não for corretamente adaptado ao contexto, de nada servem. 

O que define a vitória é a clareza e a capacidade de saber o que, quando e como fazer. Ou não fazer. Mesmo porque a definição de vencer dadas as variações, pode mudar bruscamente, se limitando a mera questão da sobrevivência.

Esse é um dos princípios norteadores da fé Cristã:
“Não se amoldem ao padrão deste mundo, mas transformem-se pela renovação da sua mente, para que sejam capazes de experimentar e comprovar a boa, agradável e perfeita vontade de Deus.”  (Romanos 12:2) 
Tanto na sabedoria filosófica, quanto na teleológica, os caminhos para a superação se convergem na mesma solução: a transformação da mente, ou melhor, na autosuperação.

Supere os medos, as angustias, os receios, a teimosia, a raiva, o ego, a ira, os vícios e nada mais será intransponível.
Antes do enfrentamento externo, é preciso a preparação interna. O ponto em comum de todas as questões é: você e a sua mente.
 

Veja Mais