Saúde

Novembro azul

01/12/23 - 08:39

Por Dr. Gelbert Luiz Chamon

O Instituto Lado a Lado pela Vida iniciou a campanha ‘Novembro Azul’ em 2011, com o objetivo de alertar para a importância do diagnóstico precoce do câncer de próstata.

Do formato e do tamanho aproximado de uma castanha portuguesa, a próstata está presente somente nos homens e se localiza logo abaixo da bexiga, envolvendo a uretra, canal por onde passa a urina. É uma glândula que faz parte do sistema reprodutor masculino, produzindo um líquido que se junta à secreção da vesícula seminal e do testículo para formar o esperma.

As principais doenças da próstata são a prostatite e dois tipos de tumores (benigno e maligno), patologias bastante frequentes no homem.

A partir dos 40-50 anos, a glândula pode sofrer crescimento do seu tecido normal, provocando a  hiperplasia benigna da próstata (HBP), podendo causar problemas urinários.

Mas a próstata pode também ser acometida por câncer, que nos estágios iniciais não apresenta sintomas e tem grandes chances de cura quando tratado precocemente.

Os tumores da próstata podem ser de baixa agressividade, de agressividade intermediária ou altamente agressivos.

Esse tipo de câncer chega a atingir em torno de 16% dos homens e sua frequência aumenta com a idade.

Quando diagnosticado nas fases iniciais, a cirurgia ou a radioterapia podem curar o câncer da próstata, porém, em fases mais avançadas não existe cura, mas o câncer pode ser neutralizado e permanecer inativo quando a ação do hormônio masculino (testosterona), é bloqueada.

A testosterona é responsável pela alimentação da próstata e o bloqueio se dá através de injeções ou pela castração cirúrgica do portador de câncer avançado da próstata.

O tumor benigno ou a hiperplasia prostática benigna é também mais frequente quanto maior for a idade do paciente e ocorre mais que o câncer da próstata, pois chega a atingir quase 70% dos homens acima de 70 anos.

A HPB começa a aparecer a partir dos 40 anos de idade e se caracteriza por um aumento da próstata apenas no local, diferentemente do câncer, que se espalha provocando as metástases. O aumento benigno da próstata passa a ser um problema quando dificulta a passagem da urina, porque, ao crescer, a próstata pode obstruir a uretra, que passa por dentro dela.

Sintomas da Hiperplasia Prostática Benigna:

– necessidade de urinar durante a noite (uma, duas, três, várias vezes);
– aumento da frequência urinária diurna;
– diminuição da força e do calibre do jato urinário;
– demora para iniciar a micção;
– sensação de urgência para urinar e às vezes até perda de urina nessas situações, entre outras.

Esses sintomas independem do tamanho da próstata, pois, um homem pode ter a próstata muito aumentada e não ter nenhum sintoma porque o aumento não causou estreitamento ou obstrução da uretra. Por outro lado, homens com próstatas menores podem ter todos esses sintomas, por conta da obstrução importante na uretra provocada pelo crescimento da próstata.

Na fase inicial, o câncer de próstata não apresenta sintomas e quando alguns sinais começam a aparecer, cerca de 95% dos tumores já estão em fase avançada, dificultando a cura. Em fase avançada, os sintomas são: dor óssea, dores ao urinar, vontade de urinar com frequência e presença de sangue na urina e/ou no sêmen.

Entre os fatores de risco estão, histórico familiar de câncer de próstata (pai, irmão e tio); obesidade e raça: homens negros sofrem maior incidência deste tipo de câncer.

Diagnóstico, tratamento e prevenção:

A única forma de possibilitar a cura do câncer de próstata é com o diagnóstico precoce. Mesmo na ausência de sintomas, homens a partir dos 45 anos com fatores de risco, ou com 50 anos e sem estes fatores, devem ir ao urologista para realizar o exame de toque retal, que permite ao médico avaliar alterações da glândula, como endurecimento e presença de nódulos suspeitos e, se necessário, fazer o exame de PSA.

PSA é a sigla em inglês para Antígeno Prostático Específico. Trata-se de um exame de sangue que mede a quantidade de antígenos produzida pela próstata.

O fato do PSA estar elevado não representa câncer, mas é um sinal de alarme indicando alguma anormalidade da próstata, como aumento da glândula, inflamação, infecção, e, inclusive,  o câncer.

Cerca de 20% dos pacientes com câncer de próstata são diagnosticados somente pela alteração no toque retal, reforçando sua importância para o diagnóstico e o tratamento precoces.

Para tratar doença localizada (que só atingiu a próstata e não se espalhou para outros órgãos), cirurgia, radioterapia e até mesmo observação vigilante (em algumas situações especiais) podem ser oferecidos.

Para doença localmente avançada, radioterapia ou cirurgia em combinação com tratamento hormonal têm sido utilizados. Para doença metastática (quando o tumor já se espalhou para outras partes do corpo), o tratamento mais indicado é a terapia hormonal.

A escolha do tratamento mais adequado deve ser individualizada e definida após médico e paciente discutirem os riscos e benefícios de cada um.

 

O diagnóstico precoce e a possibilidade de cura só existem quando se faz exames rotineiros, pelo menos uma vez ao ano.

Dr. Gelbert Luiz Chamon

Urologista, Mestre em Biomedicina, Titular da Sociedade Brasileira de Urologia, Coordenador da Residência em Urologia da Santa Casa de Belo Horizonte e Cooordenador da Comissão de Residência Médica do Hospital Municipal Sete Lagoas.
(31) 3774-7500

Veja Mais