Godzilla vs Kong - Um filme sem propósito (crítica com spoiler)

06/04/21 - 09:00

Foto: estacaonerd.com
Foto: estacaonerd.com

Wellberty Hollyvier D’Beckher*

Quando anunciaram a produção deste filme eu me perguntei: pra quê? Qual finalidade de fazer este crossover? O resultado chega aos cinemas este mês e pode ser resumido com uma palavra: patético.

O filme começa com King Kong retirado da Ilha da Caveira e levado para um complexo onde está confinado. Lá ele pode ficar a salvo dos curiosos, onde também tem uma relação com uma garotinha surda muda que ele ajudou a salvar na ilha; eles têm uma conexão bem bonita, conversam por linguagem de sinais. 

Longe dali, Godzilla ataca depois de muito tempo e seu alvo é um complexo industrial. Ele praticamente acaba com o lugar, mas porque depois de um tempo sumido ele resolve atacar? Isso é respondido mais à frente no filme.

Um cientista, Nathan Lind (Alexander Skarsgard) tenta responder à pergunta que todos querem saber, de onde vieram King Kong e Godzilla? E a resposta não poderia ser mais estapafúrdia: segundo o cientista eles vieram do centro oco da Terra?

E a solução apresentada para acabar definitivamente com as ameaças dos seres que vêm atacando a Terra é levar King Kong até lá... ele convence a pesquisadora responsável pelo complexo onde está o King Kong, Llene Andrews (Rebeca Hall) a levar o gorila até o “centro oco da terra” e ver o que podem descobrir.

Então eles colocam King Kong em um navio (é impressionante a facilidade que conseguem locomover um ser tão grande), mas no trajeto são atacados por Godzilla que, segundo os roteiristas deste filme, são inimigos há muito tempo (vá lá...). O lagarto gigante então destrói alguns navios, luta com King Kong e então alguém tem a ideia de desligar os motores dos navios que ainda sobraram, o que dá certo...Godzilla vai embora.

Mas como chegar na Antártica, onde está localizada a entrada da terra oca, sem atrair Godzilla? Fácil! Chamam alguns helicópteros, colocam Kong em uma rede e o levam voando. Porque não pensaram nisso antes? Achar uma rede que suporte Kong é fácil.

Eles conseguem entrar na terra oca e o que descobrem? Um machado brilhante que Kong pode usar como arma...quase toda a equipe morre no local atacados pelos seres que lá habitam. Neste momento, Godzilla está atacando mais um complexo da mesma empresa em Hong Kong e, com seu super raio, faz um buraco até a terra oca, quando Kong sobe até a superfície para quebrar o pau com ele.

Ainda no primeiro ataque Bernie Hayes (Bryan tyrre Henry), um teórico da conspiração que tem uma rádio pirata que fala que a empresa que foi atacada esconde algum mistério e por isso sofreu o ataque de Godzilla, chama a atenção da jovem Madison Russel ( Billy Bobby Brown ) e seu amigo Josh Valentine (Julian Dennisson). Juntos vão até o que sobrou do complexo e conseguem entrar. Sem serem descobertos, entram em um veículo e são levados dos Estados Unidos para Hong Kong.

Lá eles descobrem o porque do ataque de Godzilla: a tal empresa criou um robô gigante  (ouvi alguém dizer Megazord?) para enfrentar as ameaças contra a Terra. Godzilla está num quebra pau com King Kong, quase mata-o, quando o robô gigante entra em cena e ataca Godzilla. 

É uma bela briga, Kong se recupera e ajuda Godzilla contra o monstro. Eles o vencem e depois cada um vai para o seu lado: o lagarto gigante para o mar e King Kong para o complexo. 

O que mais me incomodou neste filme foi a completa falta de respeito com a inteligência do público, nada neste filme é plausível, as atuações são risíveis, e os efeitos especiais dignos de PS4, o que era para ser um filme épico virou um filme patético. Assista por sua conta e risco.

O filme estreia nos cinemas brasileiros em 29/04/2021. Nota 3/10.

imagem*Wellberty Hollyvier D’Beckher é formado em artes cênicas pela UFMG, pela faculdade do Rio em crítica e análise de filmes, além de cinéfilo desde os dez anos de idade.