COLUNA ESPÍRITA

26/06/22 - 07:00

Aloísio Vander
Aloísio Vander

Que a luz que há em ti não sejam trevas

É fascinante, na Doutrina Espírita, o estudo da mente. André Luiz nos fornece subsídios para uma verticalização estonteante desse tema.
    Diz André Luiz em sua obra “Evolução em dois Mundos”: “Como alicerce vivo de todas as realizações nos planos físico e extrafísico, encontramos o pensamento por agente essencial. Entretanto, ele ainda é matéria, — a matéria mental, em que as leis de formação das cargas magnéticas ou dos sistemas atômicos prevalecem sob novo sentido (...). Temos, ainda aqui (no plano extrafísico), as formações corpusculares, com bases nos sistemas atômicos em diferentes condições vibratórias (...). Isso nos compele naturalmente a denominar tais princípios de “núcleos, prótons, nêutrons, posítrons, elétrons ou fótons mentais.”
André Luiz contextualiza essa admirável lição em seu livro “Os Mensageiros”, quando, durante uma reunião no Plano Espiritual, ele observa as emissões mentais dos circunstantes. Para não nos alongarmos em demasia, citaremos tão somente trechos essenciais: “Ismália (...) começou a orar, acompanhada por todos nós (...).” Pelo meio da prece, André Luiz abre os olhos e começa a observar o ambiente: “Fixando instintivamente o alto, enxerguei, maravilhado, grande quantidade de flocos esbranquiçados, de tamanhos variadíssimos, a caírem copiosamente sobre nós que orávamos (...). Os flocos leves desapareciam ao tocar-nos, começando, porém, a sair de nossa fronte e do peito grandes bolhas luminosas, com a coloração da claridade de que estávamos revestidos (...). Ainda aí, reparava o problema da gradação espiritual. As luzes emitidas por Ismália eram mais brilhantes, intensas e rápidas (...), em que predominava a cor azul. Depois (...), vinha a luz de Aniceto, de um lilás surpreendente. Em seguida, tínhamos Alfredo, cuja luz era de um verde suave (...). Vicente e eu, mostrávamos fraca luminosidade.

”O Espírito, ao pensar, produz luz de determinada frequência, luz (fótons mentais) que possui teor energético característico. Foi o que observou André Luiz relatando as variações de coloração. Variações que se assemelham àquelas observadas na decomposição da luz branca.
    Esse estudo nos faz compreender com mais amplitude a advertência do Cristo quando nos disse: “Vê, então, que a luz que há em ti não sejam trevas.”