A nuvem de testemunhas

07/11/21 - 10:09

Aloísio Vander

Logo na introdução de O Livro dos Espíritos, Allan Kardec afirma: “(Os Espíritos) não ocupam uma região determinada e circunscrita; estão por toda parte no espaço e ao nosso lado, vendo-nos e acotovelando-nos de contínuo. É toda uma população invisível, a mover-se em torno de nós.”

Essa verdade, propalada pelo Espiritismo Cristão, já está há séculos veiculada no Evangelho: “Portanto, nós também, pois estamos rodeados de tão grande ‘nuvem de testemunhas’, deixemos todo embaraço, e o pecado que tão de perto nos rodeia, e corramos com perseverança a carreira que nos está proposta, fitando os olhos em Jesus...” (Hebreus, 12:1-2)

Os apóstolos haviam sido iniciados por Jesus nessas grandes verdades. Sem a ajuda direta dos Espíritos Protetores eles não teriam triunfado em suas missões. Todos eles possuíam dons mediúnicos, comunicando-se ostensivamente com seus guias espirituais, os mensageiros celestes (incluindo Jesus), que os orientavam em seus ministérios. Estas passagens são inequívocas: “Disse o ‘Espírito’ a Filipe: Chega-te e ajunta-te a esse carro” (Atos, 8:29); “Estando Pedro ainda a meditar sobre a visão, ‘o Espírito’ lhe disse: Eis que dois homens te procuram” (Atos,10:19); “Disse-me ‘o Espírito’ que eu fosse com eles, sem hesitar; e também estes seis irmãos foram comigo e entramos na casa daquele homem” (Atos,11:12); “e levantando-se um deles, de nome Ágabo, ‘dava a entender pelo Espírito’, que haveria uma grande fome por todo o mundo, a qual ocorreu no tempo de Cláudio” (Atos, 11:28); “e tendo chegado diante da Mísia, tentavam ir para Bitínia, mas ‘o Espírito de Jesus’ não lho permitiu” (Atos, 16:7); “Havendo achado os discípulos, demoramo-nos ali sete dias; e eles ‘pelo Espírito’ diziam a Paulo que não subisse a Jerusalém” (Atos, 21:4).

As citações acima referem-se a influenciação para o bem. Mas não podemos esquecer que ela existe também para o mal. E quando nos acostumamos com determinada influência nos condicionamos, passando a obedecê-la prontamente.

Por isso, é justo que nos perguntemos, a cada ação, a quem estamos obedecendo, porque somente quando obedecermos a Jesus, estaremos caminhando na direção da verdadeira felicidade.