A boa luta

05/06/22 - 07:00

Aloísio Vander
Aloísio Vander

Mudar nossos caracteres negativos é muito difícil, isso porque estes foram forjados numa “esteira de hábitos” ao longo de milhares de anos.
    Apesar disso, mudar maus pendores é necessário. Nossa libertação espiritual depende disso.
    Antes de tudo é preciso compreender a necessidade de mudar. E ninguém muda se entende que tudo está bem.
    Tudo começa com um ligeiro e crescente incômodo. Muitos fogem ainda nesta fase, e nessa fuga consomem toda a existência. Outros, mais corajosos, apesar de menos numerosos, prosseguem na luta pela mudança, conjugando boa-vontade, esforço e perseverança.
    Allan Kardec escreveu numa de suas obras que o verdadeiro cristão será reconhecido por “sua transformação moral e pelos esforços que emprega para domar suas inclinações más”.
    Podemos entender por transformação moral a implementação de posturas novas na vida de relações, abolindo todas as palavras e atitudes que não se vinculem ao Bem.
    Por outro lado, o homem que passou a aplicar em sua vida esta norma de conduta, não se livrou por automatismo dos pontos obscuros em suas estruturas mentais, esculpidas ao longo de multifárias reencarnações. Os impulsos infelizes assaltam a mente toda vez que essas áreas do psiquismo são estimuladas.
    Foi por isso que Kardec afirmou na sequência que, além da transformação comportamental, que pode ser levada a efeito de imediato, será necessário prosseguir numa luta silenciosa, ferrenha e incessante por dentro de nós mesmos para, ao longo do tempo, domarmos as nossas “inclinações más”.
    A prece é recurso indispensável nesse processo. Foi por isso que, na “Oração Dominical”, Jesus acrescentou: “E não nos deixes entrar em tentação; mas livra-nos do mal”. E, em outra oportunidade, reforçou: “Vigiai e orai, para que não entreis em tentação.” 

 E, aquele que desiste dessa boa luta, à qual se referiu Jesus ao afirmar que não veio trazer paz ao mundo, mas espada, alegando fraqueza ou inferioridade extrema, saiba que mesmo os Espíritos evoluídos, quando encarnam ou reencarnam na Terra, enfrentam essas mesmas lutas.